25 de fevereiro de 2007

Passeio pedestre:
Levada do Alecrim - Ribeira do Lageado -
Lagoa do Vento - Rabaçal (03-02-2007)

Para arrancar com o terceiro ano de actividade do nosso DisPorto Bay, juntaram-se mais uma vez ali abaixo do Eden Mar 24 membros e amigos, estreando a nossa bandeira número 2.
20070203-vs-8057

De propósito ou não, a Serra d’Água ficava em caminho para o passeio do dia, pelo que ninguém se fez rogado para uma breve paragem, que até os nossos colegas do Rio de Janeiro a esta hora já devem adivinhar que foi mesmo para uma ponchinha.
20070203-vs-8060

O Lino e o Agostinho, estreantes nas nossas actividades, talvez por isso mesmo, optaram por jogar pelo seguro, não fosse a poncha influenciar o desempenho durante o percurso pedestre. Curiosamente, iniciámos este ano com mais estreantes que participantes habituais.
20070203-vs-8064

Mais uma subida pela Encumeada até ao Paul da Serra e chegámos finalmente ao nosso destino, o “parque de estacionamento” junto ao tanque de carga do Rabaçal. O panorama limpo pelo vale da Ribeira da Janela descansou-nos quanto às condições climatéricas. Inverno? Qual Inverno?
20070203-vs-8066

Arrumados os carritos, aqui vamos nós.
20070203-vs-8069

Talvez por ser a estreia da bandeirinha, alguém se lembrou que era boa hora para tirar mais uma foto de grupo com a dita. O azul é mesmo bonito.
20070203-vs-8074

Mais à frente, já na levada do Alecrim, a Linda assumiu-se como porta-bandeira para este percurso e ganhou asas de borboleta mesmo sem Red Bull.
20070203-fc-4972

Depois destas partidas falsas, finalmente todo o grupo se alinhou pela beira da levada e deu início à primeira etapa que nos levaria à sua origem na Ribeira do Lageado.
20070203-vs-8078

Um pouco mais à frente encontrámos um pequeno tanque onde a Ribeira do Alecrim se cruza com a levada.
20070203-vs-8085

Nesta parte, a vegetação ainda permitia boas vistas para o lado da estrada, onde tinhamos iniciado o passeio, e pelo vale da Ribeira da Janela abaixo.
20070203-vs-8101
20070203-vs-8103
20070203-vs-8105

De repente surge-nos o primeiro “obstáculo”, um pequeno desnível na levada, que além de nos “obrigar” a subir alguns degraus nos permitiu apreciar um pequeno “rápido” na levada.
20070203-vs-8109
20070203-vs-8112
20070203-vs-8117

A partir daí a levada continua serpenteando por um bosque onde domina a urze.
20070203-vs-8122
20070203-vs-8124
20070203-vs-8142

A espaços esta levada recolhe a água de diversos regatos.
20070203-vs-8151
20070203-vs-8155
20070203-vs-8159
20070203-vs-8161

O aparecimento de algumas lagoas abaixo da levada indica que já estamos perto da sua origem.
20070203-vs-8166

Que é aqui, neste belo recanto onde encontramos uma das diversas cascatas da Ribeira do Lageado. Quem achar que a imagem estática é pouco, pode clicar na foto abaixo para ver um pequeno filme que o Celso captou com um simples telemóvel (requer QuickTime). As coisas que a tecnologia moderna permite...
20070203-vs-8170

Ansiosa por experimentar aquela água tão pura e cristalina a nossa amiga Rita depressa descobriu que além disso é bem fria.
20070203-vs-8173-75
20070203-vs-8177
20070203-vs-8181

Depois de uma sessão de fotos, onde certamente não ficou um centímetro por registar, estava na hora de retemperar forças.
20070203-vs-8187

E até houve quem encontrasse uma “mesinha” só para duas.
20070203-vs-8196

Mas ainda tinhamos muito para andar e retomámos o percurso da levada que já haviamos feito, em busca da vereda que nos levaria ao destino seguinte, mais abaixo, a Lagoa do Vento.
20070203-vs-8204

E com a visão do início da vereda, o grupo percebeu que a descida não seria tão simples como o percurso plano da levada, com o piso escorregadio nalguns pontos a exigir cuidados redobrados.
20070203-vs-8221

Antes de nos embrenharmos na floresta ainda pudemos apreciar uma bela panorâmica sobre o vale.
20070203-vs-8224

A partir daí a descida fez-se calma e cuidadosamente através de um cenário que alguns consideraram quase de conto-de-fadas. Na verdade, neste dia vários participantes descobriram uma ilha da Madeira que nem imaginavam existir.
20070203-vs-8227
20070203-vs-8231

Musgo e os caprichos da natureza permitem formações curiosas como este “bando de aves”.
20070203-vs-8237
20070203-vs-8245
20070203-vs-8248
20070203-vs-8249

Durante a descida fomos encontrando regularmente pequenos cursos de água, enriquecendo o cenário, sem apresentar obstáculos complicados.
20070203-vs-8250
20070203-vs-8254
20070203-vs-8255

Mais uma pequena escultura natural, onde alguns viram um rapaz de braços esticados. Mas não foram unânimes.
20070203-vs-8257
20070203-vs-8263
20070203-vs-8266

De repente vemos o topo da parede rochosa da Lagoa do Vento, indicando que já estamos quase a terminar a descida.
20070203-vs-8267
20070203-vs-8270

Através do arvoredo já se vê o verde intenso da lagoa...
20070203-vs-8276

... que nos aparece em todo o seu esplendor assim que saímos da cobertura do bosque.
20070203-vs-8280
20070203-vs-8281
20070203-vs-8282
20070203-vs-8286

Embora a cascata tenha um caudal pouco vistoso, ainda permite esta vista curiosa do seu interior.
20070203-vs-8287
20070203-vs-8294

No extremo oposto da lagoa, de onde as águas caem para o “Risco” pode-se ver um panorama deslumbrante, com a levada do Risco em primeiro plano, algumas dezenas de metros mais abaixo.
20070203-vs-8299
20070203-vs-8300
20070203-vs-8301
20070203-vs-8304
20070203-vs-8307

A Maria José e a Cizaltina parecem ter esperança numa boleia que as leve vereda acima. Pouca sorte...
20070203-vs-8309

Tomamos o caminho para a última secção do passeio, em direcção ao Rabaçal, não perdendo uma última chance de ver as águas de verde tão intenso quanto transparente.
20070203-vs-8312

“O quê? Vamos ter de subir isto tudo outra vez?” 20070203-vs-8313

“Sim...”
20070203-vs-8317
20070203-vs-8327

Os cortes necessários para manter a passagem livre na vereda chamaram a atenção da D. Rita que ficou encantada com os múltiplos tons de castanho.
20070203-vs-8329

Mas quem preferisse os verdes ficou certamente mais bem servido.
20070203-vs-8337
20070203-vs-8338
20070203-vs-8342
20070203-vs-8345
20070203-vs-8349
20070203-vs-8350
20070203-vs-8358

Finalmente aparece o alcatrão da estrada do Rabaçal, símbolo de “regresso” à civilização.
20070203-vs-8360
20070203-vs-8363

E agora falta saber quem quer regressar lá acima à estrada principal a pé, ou comodamente sentado no vai-vém. 20070203-fc-5014

Surpreendemente, ou talvez não, a maioria decidiu pôr as botas estrada fora e só mesmo meia dúzia cederam ao apelo do comodismo.
20070203-vs-8364

Pouco visivel nas fotos neste dia, foi o Beto que foi ficando na retaguarda do pelotão, entregando-se ao novo hobby — a fotografia. Mais um. Tinhamos esperança que fosse colocar os resultados no blog dele — o FishFrenzie - mas até agora nada. Pode ser que se lá forem fazer uma visita ele se entusiasme.
20070203-vs-8365
20070203-vs-8366

Cá estão os comodistas. E vão chegar lá acima antes de nós. Mas não muito :o)
20070203-vs-8368

Uma última passagem pela Ribeira do Alecrim, que alaga a própria estrada.
20070203-vs-8369

E finalmente, já no topo, perto dos automóveis, de onde se podem ver as casas do Rabaçal no meio de um mar de verde.
20070203-vs-8374

A boa disposição inicial a manter-se até ao fim.
20070203-vs-8378

E mais cinco minutos de repouso aproveitando para admirar este cenário majestoso.
20070203-vs-8380

Paragem seguinte, na Encumeada, onde nos esperava um derradeiro “esforço”: matar a fome, que ninguém veio para dietas.
20070203-vs-8385
20070203-vs-8386
20070203-vs-8390

O fumo das semilhinhas também veio compor a atmosfera rústica que nos rodeava.
20070203-vs-8396

E quem ficou manifestamente surpreso pela positiva com este repasto foi o John George, que vai ficando mais “amadeirado” a cada vez que nos acompanha nestas jornadas.
20070203-vs-8403
20070203-vs-8407

Entretanto a Linda depressa se fez amiga da cadela da casa que, diz ela, é certamente holandesa porque diz “woof-woof” em vez de “au-au”. Por mim desconfio... uma cadela holandesa que fala sem rrrrrrrrrr... Pode lá ser?
20070203-vs-8410

Entretanto o Orlando quis botar discurso. Mas ficou com a voz embotada e nada lhe saiu. Faz lembrar o nosso presidente. Será que temos candidato?
20070203-vs-8417

No entanto, solidariamente a Daniela aplaudiu efusivamente. O que fez logo notar que o NiQuitin não anda lá a dar grande resultado.
20070203-vs-8420
20070203-vs-8424

Para terminar a nossa cadela “holandesa” ainda teve direito a limpeza facial completa. Ficou um mimo. E parece que gostou do tratamento.
20070203-vs-8432

Segunda tentativa de discurso. E mais uma vez as palavras custaram a sair. Temos mesmo candidato a presidente.
20070203-vs-8440

Para terminar, mais um pouco de animação. Surgiram logo uns punhados de moedas e no final das apostas nem se percebeu bem quem ganhou. Mas foi animado.
20070203-vs-8452
20070203-vs-8454

Quem não estivesse interessado na jogatana ainda se podia deliciar com a vista para a Serra d’Água e um belo fim de tarde, apesar do céu carregado.
20070203-vs-8458
20070203-vs-8461

Cá fora ainda restaram umas mãos que quiseram tirar a desforra. Há almas que parece que nunca estão satisfeitas :o) 20070203-vs-8466

E por isso mesmo, a caminho de casa, ainda houve quem desse um pulinho ao Number 2 para beber uma poncha (de tangerina, claro) em honra do presidente ausente.
20070203-vs-8468

Venham mais dias cheios como este. E arrependa-se quem não veio!

7 Comentário(s):

Anonymous Anónimo disse...

Ai...saudade...
Também fiz a caminhada convosco, só não sujei as botas e não bebi as ponchas, mas com todas estas fotos percorri cada quilómetro do passeio convosco...
Pedido de um Rio bay, por favor programem uma caminhada para o final de março, preciso de beber umas ponchas convosco. Que bom é vêr gente nova nas fotos...Grandes abraços, antonio pais

26 fevereiro, 2007 02:47  
Anonymous virgílio disse...

A caminhada já está marcada. Só falta fixar a data, 24 ou 31 de Março, de acordo com a tua permanência cá pela ilha.
Trás aí mais um carioca ou dois na bagagem para lhes mostrarmos como é isto. Ou pelo menos um pouco.
Até breve.

26 fevereiro, 2007 09:14  
Anonymous hélida disse...

Realmente maravilhoso
fica registrado o desejo de poder estar junto de vocês.
abraços carinhosos do Rio de Janeiro

Hélida Cristina Gomes da Silva

26 fevereiro, 2007 09:18  
Blogger RodiNet disse...

Que saudades tenho eu de andar por esses trilhos, mas Sábados não são bons dias...
Continuações de bons passeios pessoal.

26 fevereiro, 2007 19:43  
Blogger Helena disse...

Excelente reportagem fotográfica!

06 março, 2007 19:01  
Anonymous Nuno Gomes disse...

O pessoal continua em grande, que saudades desses tempos...

18 abril, 2009 17:27  
Blogger AMOTEMAR disse...

Revivi com cada foto os lindos lugares da nossa ilha:)
Brutal:)

11 dezembro, 2010 11:19  

ESCREVER UM COMENTÁRIO

<< Home